Contratando Influenciadores Digitais: No que prestar atenção?

Contratando Influenciadores Digitais: No que prestar atenção?
11 mar

Quando começamos a estudar sobre marketing, aprendemos que as marcas irão colocar dinheiro onde o público está. Os millennials e principalmente, a geração Z em diante, consomem mais conteúdo na internet do que nos meios tradicionais de comunicação. E pasmem: a geração Z se tornou, em 2019, a maior geração do mundo e formam um poderoso grupo de consumidores. Essa geração está bastante atenta à legitimidade das marcas, empresas e organizações e essa característica é uma forte tendência para os próximos anos.

A relação entre influenciadores digitais e seus públicos, geralmente, é baseada em confiança. Por estes motivos, o uso dos influenciadores das redes sociais nas campanhas de marketing tem se consolidado como uma estratégia certeira. Apesar disso, muitas marcas, principalmente as pequenas, ainda não sabem usar corretamente o poder dos influenciadores digitais e erram em suas ações publicitárias.

  Na Allike Brasil, em 2018, tive a oportunidade de trabalhar com um influenciador digital em ascensão e ver, na prática, esses erros. Gostaria de compartilhar 3 dicas que são fundamentais para não cometê-los.

  1. SAIBA QUAL É O SEU OBJETIVO
Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Recebia constantemente propostas de ações em que, quando me explicavam melhor a campanha, visivelmente, as marcas não sabiam os motivos de estarem escolhendo o meu influenciador por não entenderem ao certo o objetivo da ação.

Saber quais são os objetivos gerais e específicos da sua campanha são fundamentais para entender quais serão suas metas e KPIs e acertar na escolha do influenciador digital que te entregará melhores resultados.

Por exemplo: Se a sua campanha tem o objetivo de Awareness (quando a marca quer visibilidade e que muita gente tenha consciência que a marca/produto/serviço existe), o ideal é que você use uma celebridade (personalidades com muito alcance).

Se o seu objetivo é Brand Perception (construção de imagem e percepção de marca), a melhor escolha é uma autoridade (especialista) de mercado ou algum influenciador que seja conhecido por seu público por consumir e indicar produtos/serviços de qualidade.

Mas se o seu objetivo é gerar conversão e vendas, a estratégia que tem se usado ultimamente, é de contratar micro influenciadores. O mercado publicitário vem descobrindo o potencial desse tipo de influenciador, pois perceberam que as pessoas têm uma tendência maior a comprar algo recomendado por alguém parecido e “próximo” de você do que de uma pessoa que é desconhecida e distante.

2. COMPREENDA O PROPÓSITO DA SUA MARCA E OBSERVE SE ESTÁ DE ACORDO COM O PROPÓSITO DO INFLUENCIADOR

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Como a sua marca muda o mundo? Que problema ela resolve? O que ela inspira nas pessoas? Essas questões são muito importantes para definir o propósito. Saber qual é o propósito da marca que você representa e da sua campanha e entender o propósito do influenciador é fundamental para escolher certo.

Eu perdi a conta das inúmeras propostas de marcas que não tinham o propósito claro ou alinhado com o influenciador, ou tinham ações publicitárias sem propósito.

Um bom influenciador, preocupado com sua imagem e público, sempre irá prestar atenção nisso, pois se ele errar na representação da marca, ele perde credibilidade e a confiança de seu público. O inverso deve acontecer também. Se um influenciador que não tem nada a ver com os propósitos da marca aceitar fazer a ação, nem o público dele e nem o da marca irão acordar.

3. ENTENDA QUAL É O SEU PÚBLICO E O PÚBLICO DO INFLUENCIADOR

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Acho que no tempo que trabalhei com esse influenciador, o maior erro que eu identificava era de público. Recebia inúmeras propostas de marcas e empresas que tinham um produto para um público AA com hábitos de consumo e estilos de vida de um jeito e queriam fazer ações com influenciador com público C que tinha hábitos de consumo e estilos de vida completamente diferente.

Estudar o público do seu produto/serviço, desenhar a persona e entender de fato quem é a pessoa que vai consumir o que você irá oferecer é fundamental. Tão importante quanto fazer o estudo de público do influenciador que você quer usar.

Quando falo de estudo de público e desenho da persona, eu não estou falando somente de sexo, de idade, região e poder aquisitivo. Estou falando de estilo de vida, do que pensam, sentem e dizem, do que usam e consomem, de como se comportam e das dores que tem. Se você não entender exatamente quem são os públicos da sua marca e do influenciador, há grandes chances de errar a ação.

Essas dicas são baseadas na minha experiência com marketing de influência, trabalhando como assessora de um influenciador digital de grande porte. Caso você trabalhe para as marcas/empresas e tenha a visão de quem contrata esses influenciadores, e queira compartilhar dicas e comentários, gostaria muito de ouvir. E se você for uma pessoa que nunca trabalhou com isso, mas interessada no assunto, estou à disposição para um papo! 🙂

Sobre a dificuldade de escrever e o medo de expor ideias e opiniões no LinkedIn

Sobre a dificuldade de escrever e o medo de expor ideias e opiniões no LinkedIn
11 mar

Sou daquelas pessoas muito tímidas que não gosta de falar em público, e me sinto igualmente tímida nas redes sociais. Ainda tenho medo da opinião pública, ou melhor, do erro frente ao público. Aqui no LinkedIn, então, nem se fala! Uma rede profissional cheia de profissionais incríveis, de pessoas que admiro e que não estão tão distantes de mim. E é aí que começa a auto sabotagem: E se eu errar o português e as pessoas perceberem? Eu sou jornalista, tenho que escrever direito. Imagina que tragédia seria se eu falasse uma besteira enorme? Meu erro ali exposto para todo mundo. E isso bloqueia tanto a publicação de artigos, quanto a exposição de opiniões e ideias em publicações alheias na rede social.

Mudando o mindset (modelo mental)

Mudar esse mindset paralisador se tornou uma das minhas resoluções para 2019. Trabalho com marketing de influência e sei o quanto o LinkedIn é importante para profissionais que desejam se destacar e potencializar novas oportunidades de trabalhos, palestras, workshops, cursos, consultorias, captar clientes etc. Usar a rede intensamente, não só para mostrar seu currículo, mas também para networking, produção e consumo de conteúdo relevante, fundamental para que você ganhe evidência e resultados no LinkedIn. Ainda mais quando falamos sobre trabalho orgânico de conquista de reputação e autoridade. 

Essa é a primeira instrução que dou aos meus clientes sobre a plataforma, mas eu mesma não faço o uso da rede social como deveria. Então estou aqui, escrevendo meu segundo artigo para o LinkedIn, e tentando mudar meus hábitos nesta rede social. Para entender melhor o sucesso de algumas pessoas no LinkedIn, fiz a análise de uso da plataforma por top voices e influenciadores. 

Flavia Gamonar – Muito conteúdo autêntico

Você sabia que a Flavia Gamonar já publicou mais de 370 artigos desde 2015? Isso dá uma média de 7 artigos por mês, considerando o período de janeiro de 2015 a dezembro de 2018. Ela não publicou 7 artigos por mês, todos os meses nesse período. No início, publicava em maior quantidade e depois foi ajustando a frequência de acordo com a real necessidade, a inspiração e o tempo para escrever. Os artigos não falam só sobre a área de atuação dela (marketing digital, pessoal, linkedin, inovação, entre outros), também podemos ler textos motivadores e inspiracionais em seu perfil. 

Além disso, Flavia usa diariamente a plataforma, não fala só de si mesma, compartilha conteúdo que acha relevante, faz perguntas aos seguidores e interage bastante, sempre com um tom de voz próximo e autêntico. Flavia se despiu do medo da opinião pública sobre a própria imagem e, ao meu ver, só assim foi possível produzir conteúdos genuínos, pois conseguiu ser ela mesma. Ademais, ela é super acessível e responde algumas dúvidas por mensagens, humanizando e melhorando a nossa experiência com ela na rede social. 

Laís Vargas – A incrível ascensão em 8 meses

Outro caso muito interessante é o da Laís Vargas, que teve uma ascensão incrível no LinkedIn em apenas 8 meses de forte uso da plataforma. Laís saiu do emprego formal e fundou sua própria empresa, junto com o irmão. E foi aí que começou a utilizar o LinkedIn para potencializar a captação de clientes e construir autoridade. 

A empresa de Laís Vargas faz apresentações, sem firulas, para empresas e empreendedores se comunicarem melhor. Em dois meses, ela produziu cerca de 18 artigos, com temas variados, entre dicas para criar boas apresentações e textos motivacionais e inspiradores, mas sempre com muita informação, exemplos e referências externas. 

Além disso, usa o LinkedIn quase todos os dias, e faz publicações de conteúdos diferentes e autênticos. Conseguimos entender a história e um pouco da personalidade da Top Voice através da rede. A interação não fica para trás, e ela também é bastante acessível.

Esses são apenas dois casos e alguns aprendizados de uma longa pesquisa que venho fazendo e que está longe de terminar, mas que achei válido compartilhar. Ambas se expõem de forma muito autêntica, escrevem e interagem sem medo de compartilhar informações, ideias e opiniões, e esse é um dos motivos que torna o conteúdo delas tão legal – para mim. Espero que tenham gostado e que se inspirem, como eu, a usar mais o LinkedIn.

Open chat
Powered by